HISTÓRICO DA REDE PUXIRÃO

A emergência de identidades coletivas no Brasil nas últimas décadas tem revelado a existência de diversos grupos étnicos, organizados em movimentos sociais, que buscam garantir e reivindicar direitos, que sempre lhes foram negados pelo Estado. Desta forma, compreendem-se sem exaustão os motivos para o qual um país tão diverso em sua composição étnica, racial e cultural, a persistência de conflitos oriundos de distintas visões de mundo e modos de vida, que desencadeiam desde o período colonial, lutas pela afirmação das identidades coletivas, territorialidades especificas e reconhecimento dos direitos étnicos.



Na região Sul, especialmente no Paraná e Santa Catarina, a invisibilidade social é uma das principais características dos povos e comunidades tradicionais. Até pouco tempo atrás, a inexistência de estatísticas e censos oficiais fez com que estes grupos elaborassem seus levantamentos preliminares numa tentativa de afirmarem sua existência coletiva em meio a tensões, disputas e pressões que ameaçam seus diretos étnicos e coletivos garantidos pela Constituição Federal de 1988 e, diversos outros dispositivos jurídicos infraconstitucionais[1].



Destas demandas surge, na região Sul, a Rede Puxirão dos Povos e Comunidades Tradicionais, fruto do 1º Encontro Regional dos Povos e Comunidades Tradicionais, ocorrido no final do mês de Maio de 2008, em Guarapuava, interior do Paraná. Neste espaço de articulação, distintos grupos étnicos, a saber: xetá, guaranis, kaingangs, faxinalenses, quilombolas,benzedores e benzedeiras, pescadores artesanais, caiçaras, cipozeiras, religiosos de matriz africana e ilhéus; tais segmentos se articulam na esfera regional fornecendo condições políticas capazes de mudar as posições socialmente construídas neste campo de poder. Ademais, a conjuntura política nacional corrobora com essas mobilizações étnicas, abrindo possibilidades de vazão para as lutas sociais contingenciadas há pelo menos 3 séculos, somente no Sul do País.



sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Benzedeiras participaram em Brasília da Festa de homenagem a diversidade da cultura e do patrimônio

Os vencedores do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade receberam troféu, certificado e R$ 20 mil por ações de preservação e divulgação do patrimônio cultural.

Luiz Fernando de Almeida (Presidente do Iphan), Márcia Helena Gonçalves Rollemberg (Secretária de Cidadania Cultural), Ana Maria dos Santos, (Benzedeira/MASA), Taisa Lewitzki (Rede Puxirão /MASA)  e Ana de Hollanda (Ministra da Cultura)

No último dia 19 a Sala Villa Lobos, do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília, reuniu mais de 2,4 mil pessoas para homenagearem os sete vencedores da etapa nacional da 24ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, editado anualmente pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, um estímulo a pessoas e instituições que não medem esforços para desenvolver e implantar ações preservacionistas e de educação patrimonial.


Recepcionadas pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda, o presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida e a Secretária de Cidadania Cultural, Márcia Helena Gonçalves Rollemberg, a Benzedeira Ana Maria dos Santos (MASA) e Taisa Lewitzki (REDE PUXIRÃO/MASA) foram premiadas na Categoria Salvaguarda de Bens de Natureza Imaterial, com a iniciativa do Mapeamento Social das Benzedeiras dos Municípios de São João do Triunfo e Rebouças do Estado do Paraná, realizado nos últimos três anos pelo Movimento Aprendizes da Sabedoria – MASA.  

video

Para Ana de Hollanda, o grande número de ações inscritas na premiação, 230 neste ano, demonstra uma maior organização da sociedade na preservação e valorização da diversidade cultural. Ela disse ainda que “essas são criativas soluções das comunidades que buscam preservar o que há de mais rico: sua própria identidade”. Ressaltando que patrimônio é uma construção da sociedade brasileira, o presidente do Iphan lembrou que, ao longo dos anos, o conceito de patrimônio evoluiu e hoje a sociedade tem grande responsabilidade em sua gestão e preservação. Por isso, para Luiz Fernando de Almeida, “o Prêmio Rodrigo é o reconhecimento das iniciativas bem sucedidas de recuperação do patrimônio cultural brasileiro para além das ações do Iphan”.


Após a entrega dos prêmios, a cantora Renata Jambeiro e o sambista carioca Diogo Nogueira, com a turnê Sou Eu, encerraram a festa com grande participação e animação dos premiados e do público que lotou o Teatro.


Ana Maria dos Santos (MASA) e Taisa Lewitzki (Rede Puxirão/MASA)
Para o MASA, a conquista do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade é o reconhecimento formal da importância cultural da identidade coletiva das benzedeiras, e a relevância destas a preservação da cultura tradicional. Com o valor da premiação o MASA irá realizar o II Encontro das Benzedeiras do Centro-Sul do Paraná no mês de março de 2012, a fim de fortalecer o movimento na região e viabilizar o dialogo com os poderes públicos regionais e estadual e nacional para consolidação de políticas publicas que assegurem o modo de vida tradicional das benzedeiras, tais como o livre acesso às plantas medicinais e o acolhimento das praticas tradicionais de cura no SUS.



No Paraná a festa de premiação será coordenada pela Superintendência do IPHAN no Paraná, no dia 15 de dezembro de 2011 em Curitiba, momento em que benzedeiras de diversas comunidades e municípios irão celebrar a conquista do Prêmio.


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Café colonial reúne vencedores do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade

19/10/2011
Cafe Colonial PRMFA 2011
Formar uma grade rede que integre e compartilhe informações a respeito das ações vencedoras em cada categoria do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade. Esta foi a temática do café colonial que reuniu, no camarote presidencial da Sala Villa Lobos, do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília, o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, Luiz Fernando de Almeida, a secretária de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Márcia Rollemberg, e os sete agraciados na etapa nacional da 24ª edição da premiação instituída pelo Iphan. A partir das 18h30 desta quarta-feira, dia 19, eles voltam ao teatro, ao lado da ministra da Cultura, Ana de Hollanda, para a entrega da premiação.
Durante o encontro, Luiz Fernando de Almeida se disse orgulhoso da homenagem aos premiados já que o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade representa o reconhecimento do Iphan às ações de proteção e valorização do patrimônio cultural realizadas por agentes da sociedade civil. Segundo o presidente do Iphan, “essas iniciativas reforçam a ideia de que promoção e proteção do patrimônio cultural devem ser compartilhadas”. Ele também ressaltou que o grande número de ações inscritas, que este ano chegou a 230, consolidam o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade como um grande instrumento de reconhecimento da importância e valorização dessas iniciativas.
Já Márcia Rollemberg, que deixou recentemente a direção do Departamento de Articulação e Fomento – DAF/Iphan, reforçou a necessidade de formação da rede entre os vencedores “como uma forma de divulgação de suas ações, mas principalmente, para a criação de um fórum sobre o patrimônio cultural brasileiro onde seja possível a troca de experiências e de metodologias para incentivar, também, a realização de outros projetos voltados para o campo do patrimônio”. Agora, como secretária de Cidadania e Diversidade Cultural, ela se comprometeu a continuar trabalhando no fortalecimento das políticas de valorização da cultura, sempre focando na dimensão da cidadania, reforçando as manifestações regionais e estaduais.
O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade é editado anualmente pelo Iphan para valorizar o patrimônio histórico e cultural do Brasil, homenageando pessoas e entidades que não medem esforços para desenvolver e implantar ações preservacionistas e de educação patrimonial. Este ano, está inserido nas comemorações do Ano Internacional do Afrodescendente e homenageia os 100 anos de nascimento do artista plástico Carybé.
Criado em 1987, o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, criado em 1987, é constituído de um troféu, um certificado e um prêmio estímulo de R$ 20 mil. São sete categorias:
• Promoção e Comunicação
• Educação patrimonial
• Pesquisa e inventário de acervos
• Preservação de bens Móveis
• Preservação de bens Imóveis
• Proteção do patrimônio natural e arqueológico; e
• Salvaguarda de bens de natureza imaterial
Os 230 inscritos passaram pela avaliação estadual nas superintendências do Iphan em todo o Brasil. Os 81 projetos finalistas foram avaliados pela Comissão Nacional de Avaliação, que no último dia 15 de setembro, em Brasília, indicou os sete premiados.
Na cerimônia do dia 19 de outubro, o Iphan também fará a entrega do Prêmio Viva Meu Mestre, uma parceria do Iphan com a Fundação Cultural Palmares e as Secretarias Executivas de Identidade e Diversidade Cultural e de Políticas Culturais do Ministério da Cultura. O Prêmio Viva Meu Mestre visa apoiar a transmissão dos conhecimentos tradicionais ligados à prática da Capoeira e a valorização dos mestres e mestras que se destacaram ao longo da vida na transmissão dos saberes dessa prática cultural afrobrasileira.
Após a entrega dos prêmios, os vencedores e o público serão brindados com dois shows. Estarão no palco da Sala Villa Lobos, a cantora Renata Jambeiro e o sambista carioca Diogo Nogueira, com a turnê Sou Eu. A festa é aberta ao público que poderá retirar seu ingresso gratuitamente na bilheteria do Teatro, no dia 19 de outubro, a partir das 14h.

Premiados da 24ª Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade
Categoria Promoção e Comunicação
Ação: Projeto Turista Aprendiz
Proponente: Maracá Produções Artísticas e Culturais – São Paulo/SP

Categoria Educação Patrimonial
Ação: “OjóOdê” e “Afoxé AyóDelê”- Vivências Afrobrasileiras
Proponente: Espaço Cultural Vila Esperança – Goiás/GO

Categoria Pesquisa e Inventário de Acervos
Ação: Inventário da Arquitetura Residencial em Madeira
Proponente: Fábio Domingos Batista – Curitiba-PR

Categoria Preservação de Bens Móveis
Ação: Projeto Luzitânia
Proponente: Sociedade Canoa de Tolda – Sociedade Socioambiental do Baixo São
Francisco – Brejo Grande/SE

Categoria Preservação de Bens Imóveis
Ação: Ouro Preto - Um Novo Modelo de Gestão de Cidades Históricas
Proponente: Prefeitura Municipal de Ouro Preto – Ouro Preto/MG

Categoria Proteção do Patrimônio Natural e Arqueológico
Ação: Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos
Proponente: Instituto Cultural Cidade Viva – Rio de Janeiro/RJ

Categoria Salvaguarda de Bens de Natureza Imaterial
Ação: Mapeamento Social das Benzedeiras dos Municípios de São João do Triunfo e
Rebouças do Estado do Paraná
Proponente: Movimento dos Aprendizes da Sabedoria – MASA – Irati/PR

Rodrigo Melo Franco de AndradeO advogado, jornalista e escritor Rodrigo Melo Franco de Andrade nasceu em 17 de agosto de 1898, em Belo Horizonte. Foi redator-chefe e diretor da Revista do Brasil. Na política, foi chefe de gabinete de Francisco Campos, atuando na equipe que integrou o Ministério da Educação e Saúde do governo Getúlio Vargas. O grupo era formado por intelectuais e artistas herdeiros dos ideais da Semana de 1922.
Rodrigo Melo Franco de Andrade comandou o Iphan desde sua fundação em 1937, até 1968. O prêmio foi criado em 1987 em reconhecimento às ações de proteção, preservação e divulgação do patrimônio cultural brasileiro. Seu nome é uma homenagem ao primeiro dirigente da instituição.

Serviço
Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade
Data: 19 de outubro de 2011
Horário: 18h30
Local: Sala Villa Lobos – Teatro Nacional de Brasília
Setor Cultural Norte – s/nº
Brasília – DF
Mais informaçõesAssessoria de Comunicação Iphan
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
            (61) 2024-5476       / 2024-5477
www.iphan.gov.br | www.twitter.com/IphanGovBr
Fonte: Ascom

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Jovens da Rede Puxirão participaram da II Conferência Estadual de Políticas para a Juventude em Maringá


Jovens faxinalenses, cigan@s, religiosos de matriz africana e quilombolas participaram neste último final de semana da II Conferência Estadual de Políticas para a Juventude que aconteceu na cidade de Maringá. Nos três dias de evento aproximadamente 800 jovens debateram propostas na esfera estadual e nacional, para efetivação de direitos da juventude, bem como proposição de políticas públicas que garantam o desenvolvimento e qualidade de vida da juventude, considerando a diversidade de segmentos, campo, cidade, povos e comunidades tradicionais, religioso, sindical, partidário, estudantil, LGBT, entre outros.
Plenária da II Conferência de Políticas para Juventude. Taisa Lewitzki/REDE PUXIRÃO, Isabela Cruz/FECOQUI

O próximo passo será a II Conferência Nacional de Políticas para Juventude, que acontecerá em Brasília no mês de dezembro. Dos 75 delegad@s que representaram o Paraná na Conferência Nacional, sete são oriundos de povos tradicionais e representarão a Rede Puxirão em Brasília.

Além das propostas do grupo de trabalho juventude e povos e comunidades que propôs ações que garantam o desenvolvimento sustentável da juventude dos povos tradicionais no Paraná e no Brasil, o grupo aprovou moção de apoio a instituição e implementação imediata da Política Estadual de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, por meio da assinatura do decreto/lei por parte do Governo do Estado, demanda esta que a Rede Puxirão vem lutando a mais de três anos.